segunda-feira, 8 de junho de 2009

A hora da direção.

Muito repercutiu por estes pagos a tal declaração do Souza. Sabe-se lá se as palavras do nosso craque são verdadeiras ou se foram lançadas "inocentemente" no ar, por "forças ocultas" que labutam contra os verdadeiros gaúchos desde a época de Getúlio Vargas.

A maioria das pessoas com quem falo condena a imprensa pela divulgação de um fato que, segundo eles, não ocorreu. Outros, por sua vez, afirmam que o Souza fala demais e que não dá para aguentar o cara.

Sinceramente, a causa pouco me importa. Quero me ater às conseqüências! É indubitável que parte da imprensa tenta, de forma constante, desestabilizar o Grêmio. De outro lado, é inegável que Souza fala tanto quando joga.

A questão é que a notícia - verdadeira ou não - está lançada e, em cima dela, é que a direção tem que evitar ou minorar eventuais conseqüências nefastas.

O imortal é acostumado com isso. Renato falava proporcionalmente aos jogos que decidia. Com Paulo Nunes, guardada as devidas proporções de língua e de bola, ocorria a mesma coisa. E assim poderíamos enumerar "n" exemplos de jogadores tagarelas que vestiram a camisa tricolor.

Jogador polêmico é prato cheio para a imprensa, em especial para aquela parcela que detesta reconhecer que o Grêmio, mesmo quando na parte de baixo da gangorra, é o clube gaúcho mais prestigiado internacionalmente.

Pois esta é a hora da direção. Se o cara resolve em campo, cabe aos dirigentes contornar os exessos da sua verborréia atômica. O que não se pode permitir é que, diante de um fato cuja veracidade é amplamante duvidosa, se crie uma crise entre torcida e o jogador. É hora da presidência vir aos microfones e minimizar o fato, focando o discurso naquilo que realmente importa: o jogo do dia 17 e a classificação à semi da LA. É hora da cartolagem puxar o Souza num canto e mandar ela se aquietar, ao menos por um curto período, até passar a tempestade e o comandante retomar a direção da embarcação.

Enfim é hora de trabalho, direção! Por favor: chega de omissão!



7 comentários:

amarante disse...

Se tivessemos uma direção atuante e competente, esse tipo de fato teria morrido no inicio. A omissão dos nossos dirigentes permite desdobramentos nessas tentativas da imprensa vermelha em criar crise no olimpico. Um clube como o Gremio teria que ter um presidente e um vice de futebol que dessem resposta imediata e qualificada tanto interna quanto externamente. Ou seja, nas "internas" dá um pito no souza e, nas "externas" corta as especulações da imprensa. A questao é que nossa direção não tem segurança de nada. Ainda não sabe o que acontecerá no futuro próximo. Se omite porque não tem o controle da situação. Nossa falta de qualidade não é só em campo.

Eduardo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Eduardo disse...

Belíssimo texo!
Contra tudo e contra todos, é esse o lema que resume nossas conquistas!! Contra a direção oligarca que criticou o populismo da direção passada e instituiu a tripartição (maldito volp) dos poderes sem poderes, que cantarola nos corredores do monumental "lá em casa continuam os mesmos problemas". Contra a imprensa marrom tonalizada para o vermelho (nos dizeres do Bonatto), que fica se mordendo de nos ver vivo e peleando en la copa, enquanto a namoradinha da pindorama lembra a seleção de 82. Contra a banda de metais das sociais e contra as meia-bandas atrás de cada gol do olímpico, que como em toda história gaudéria preferiu se separar quando tudo dava certo. Contra a língua do souza, a lentidão do tcheco, a juventude do Adílson, a Ruyndade do Rui, a lesão do Magrão. Contra os Três Patetas, Dunga, CBF, CBD, lança-chamas, irrigador, Hernanez, Miranda, Cléber, o caralho à quatro. Será contra tudo e contra todos, como sempre foi.

CCX disse...

Honestamente, acredito que o Souza não vale o esforço.

Éder Silveira disse...

Acho, como sempre achei, que não podemos perder de vista o aspecto apontado pelo LF sobre Souza e outros que vestiram a camisa do Grêmio: sim, ele é arrogante, sim ele é provacador e é natural que o seja vestindo a camisa que veste. O que precisamos é de uma diretoria que, assim como já tivemos outrora, "toque os cavalos por cima" e trabalhe, no vestiário e na sala de conferências, os ânimos. Que meta o pé na porta de certos jornalecos e rádios que tem por aí e que mandem alguns jornalistas à p.q.p. e que tenha novamente um sujeito com culhões dentro do vestiário, que bote ordem na casa. Tanto na diretoria do nosso Imortal como dentro de campo está faltando aquele indivíduo que tem a tão sonhada dupla competência: sabe ganhar um jogo na bola e na porrada.

Kbecinha disse...

Se ele vale o investimento? Tenho mihas duvidas. Joga bola? Sem duvida. Como è seu comportamento no vestiario? È desagregador, faz intriga, derruba tècnico? Esse è o problema. Quem deve (ou ao menos deveria) saber è a direcao. Mas è esperar demais dos calcadores de maria-mole.

O brabos è pagar 4 milhoes de euros para os Putos de Saint Germain, qu nos deram calote, pagaram propina pro Guerreiro e levaram aquel beicudo miseràvel.

Jabba disse...

O PSG não me incomoda muito, se não fossem eles, seria outro clube, ou tu acha que o Guerreiro e o traíra não iam fazer aquela trairagem igual? Me irrita é o Guerreiro ainda ser sócio do Grêmio.
Mas voltando ao Souza, acho que ele joga bola, mas pagar sei lá quantos milhoes de euros por um jogador de 30 anos é inviável.