quarta-feira, 9 de julho de 2008

Bons tempos!!



Faz 25 anos do jogo Histórico Grêmio e Estudiantes, em La Plata. Guerra, violência e futebol marcaram uma das partidas mais emocionantes da história. Abaixo depoimento de Valdir Espinosa sobre a partida (fonte www.clicrbs.com.br).


"Na Libertadores de 83, um dos jogos mais difíceis foi em La Plata, jogando contra o Estudiantes. Muito mais do que as dificuldades de campo, o clima de guerra que envolveu aquela partida, nos fazia temer por nossas vidas, receando não sairmos sãos e salvos de lá!
O jogo, só para lembrar, estava 3x0 para nós e o Estudiantes com apenas 7 jogadores, conseguiu empatar. Mas isto é assunto para outro dia, pois o que quero é relatar os acontecimentos do intervalo do jogo.
Terminado o primeiro tempo, as 2 equipes foram para os vestiários. Este caminho era tão estreito que obrigava-nos a andar em fila indiana. Do campo até o vestiário, muitos gritos e xingamentos. Entramos, fechamos a porta e o nosso segurança encostado nela ,disse:
-"Fiquem tranquilos, que aqui ninguém entra"
Enquanto os jogadores tomavam água, lavavam-se e trocavam o material molhado, a porta parecia que viria abaixo com pancadas de socos e pontapés. E o nosso segurança, encostado na porta já com os braços abertos, continuava afirmando:
-"Tranqüilos! Aqui ninguém entra"!
Jogadores sentados para ouvirem as instruções do intervalo. Começo, então, a falar e quando vou corrigir o ataque, pergunto:
-"Cadê o Caio"?
Todo mundo se olha ,observa o vestiário e...nada do Caio! Então, imediatamente olhamos para o segurança e eu grito:
-"Abre esta porta"!!!
Nosso Super-Homem abre e quem entra? O Caio! Chorando, com o tornozelo inchado e cheio de hematomas pelo corpo. Ele havia ficado para trás, e durante todo aquele tempo em que batia na porta, estava apanhando dos argentinos! Seu tornozelo estava tão inchado, que tive que substituí-lo no intervalo.
Como voces podem ver, nosso segurança realmente não deixou ninguém entrar, nem mesmo o Caio!"

Bons tempos! Nessa época para ser campeão da libertadores não bastava ser o melhor, era necessário ser o mais forte.

2 comentários:

Luiz Fernando disse...

Grande, professor!

Excelente lembrança.
Esta partida estará para sempre na memória da nação tricolor.
Entretanto, tenho convicção de que hj a turma do fair play não valorizaria o feito, limitando-se a
criticar a falta de estrutura do estádio.
Ah....aproveitando o ensejo, enfatizo que essa distinção entre o mais forte e o melhor não me serve. Uma das formas (não a única) de ver quem é o melhor está justamente na força. É por isso que sou contra o campeonato de pontos corridos e o argumento de que neste tipo de certame ganha sempre o melhor. Para mim, neste tipo capeonato vence quem tem mais dinheiro e alguma organização.
Ser o melhor não siginifica APENAS ser o mais regular ou ser aquele time que marca mais pontos.
Entendo que, para ser o melhor, é necessário TAMBÉM saber decidir, jogar finais e jogos de alta pressão (tal qual a batalha de La Plata).
E o São Paulo é o exemplo maior disso. É bicampeão brasileiro e tido como o melhor do país. No entanto, nas três últimas Libertadores, ao ser submetido a jogos com pressão, sucumbiu como uma presa fácil.
Sei q é uma tese de difícil aceitação, mas penso q só dinheiro e organização não podem definir quem é o melhor, em especial neste mundo de emoções que é o futebol.

Kbecinha disse...

Aos mais novos, esse jogo foi um filme de terror. Tinha 8 anos e assiti o jogo sozinho. Minha m�e chegou a colocar uma imagem da Santa Terezinha p/ tentar me acalmar. Baita partida.

N�o posso deixar de comentar a �ltima final de Libertadores. Depois das agruras que o torneio vem sofrendo desde 2006, a vit�ria da LDU me encheu de esperan�as na volta aos bons tempos do futebol for�a. Apesar de ter um t�cnico guerreiro, o Flu n�o era um time digno de campe�o da Am�rica. Mesmo com menos participa�es na competi�o, a Globo declarava o Flu um time de mais tradi�o. Um torcida cara-pintada, cabe�a-perucada e gritona de voleibol n�o pode se gabar de ser campe� da Am�rica, apesar de haver algumas exce�es (sempre h�. Que atua�o de luxo do goleiro da LDU. Fazia tempo que eu n�o via uma catimba t�o espetacular. E ainda colocaram a culpa no Renato. N�o esquenta Portaluppi, tu j� tens a tua faixa.