segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Os números e o biquini.

Ainda sobre o jogo contra o fluminense, minha frustração não se deve tanto ao resultado, que não foi dos piores, mas ao fato de o Grêmio, legitímo representante do futebol pampeano, sucumbir novamente frente a um time carioca, sabidamente os maiores representantes do futebol gingado do Brasil. Sempre quero que o Grêmio vá ao Rio e proporcione outros maracanaços, o que nesta temporada não está acontecendo. Paciência. Não teremos mais jogos no rio neste campeonato

Analisando o resultado não podemos nos queixar. O Grêmio entrou na rodada com 5 pontos de diferença com um jogo fora de casa pra cumprir. Termina a rodada com um ponto a mais em relação ao segundo colocado. Apesar desse ser um dado positivo, me lembrei nesse momento do Roberto Campos que se referia a estatística como a arte de enganar com números ou, dizia ainda, que estatística é igual biquíni: mostra tudo menos o essencial.

Com isso quero dizer que temos que ter cuidado com os números. Analisando os 6 primeiros colocados depois da 24ª rodada, percebe-se que o Grêmio tem um dos piores aproveitamentos no 2º turno, embora tenha aumentado a distância. Dos 15 pontos disputados no 2º turno, ganhamos 8 (duas vitórias em casa, dois empates fora e uma derrota fora), enquanto isso o Botafogo conquistou 11 pontos, o Palmeiras e o Flamengo 9 pontos, São Paulo 8 pontos e cruzeiro 7 pontos. Mesmo que a diferença de pontos do final do 1º turno tenha aumentado de 5 para 6 pontos, acho que devemos estabelecer um outro enfoque para pensar o Grêmio nas próximas rodadas.

A apresentação contra o fluminense confirma o baixo desempenho. Nos últimos jogos não estamos jogando o suficiente pra repetir algumas boas jornadas do 1º turno. Nossos alas desapareceram. Eu sempre defendi o Paulo Sérgio, mas ultimamente tá difícil. Na esquerda Pico e Helder são tímidos na composição do meio e chegada no ataque é precária. Assim torna-se difícil nosso 3-5-2 atingir êxito fora de casa. A entrada de Souza no lugar de Peréa também não surtiu muito efeito, pois pareceu que esse jogador não encontrou seu lugar no campo.

Penso que poderíamos treinar essa semana Souza na lateral novamente, certamente fará mais do que Paulo Sérgio está fazendo; na frente Reinaldo (ou soares) e Marcel, e no meio a entrada de Orteman no lugar de William Magrão que está machucado. Isso pode pôr um pouco de combustível na busca de retomada do ritmo que nos colocou em 1º lugar. Para manter a liderança até o final, é preciso avaliar o futebol além do que a tabela apresenta e, assim, se antecipar às tendências que, ao meu ver, preocupam mais que os números.

4 comentários:

Luiz Fernando disse...

Grande, professor!

Que o resultado foi bom, ninguém discute. Afinal, abrimos mais um ponto em relação ao segundo colocado.
O q eu tentei referir no post anterior foi a preocupação com a queda de rendimento e a volta do receio de jogar fora de casa.
Temos q fazer por nós. Não podemos contar apenas com os tropeços dos adversários e com empates conquistados aleatoriamente no último minuto.
Eu não quero show ou goleada; quero apenas que o tricolor mantenha a mesma forma de jogar do turno passado.
Ah...muito bom o primeiro parágrafo...ganhar do cariocas (sempre simpaticos e gente boa, mas com um futebol muito rebolado) é sempre bom, ainda mais naquele q foi denominado de "o maior do mundo!"

Kbecinha disse...

Acho que o Grêmio foi ao Maracanã enfrentar um desesperado Fluminense e procurou não correr riscos. Por esse motivo a atuação não foi das melhores em termos ofensivos. Isso mostra que está havendo planejamento para alcançar o título. Não podemos deixar de levar em conta que nesse 2o turno há o fator psicológico. Se vencermos no sábado, vamos jogar toda a responsabilidade p/ Palmeiras e Cruzeiro no domingo. Estou apostando nesse empate. Quanto ao Botafogo, se ele não se matar sozinho (como sempre), arrombamos eles no Monumental. CADA DIA EU ACREDITO MAIS!!!!

Valtinho Gremista disse...

Amarante,
Coaduno com a tua preocupação em relação à tendência de queda de rendimento do time, mas, falando em biquíni (já que estive no Rio), ou melhor, de estatística, temos que ser conscientes que aquela pontuação de 41 pontos seria impossível de ser repetida, ou seja, se chegássemos a 82 pontos seríamos campeões com 10 pontos de diferença em relação ao vice.
Mas aí vai um alento para mudança de cenário das próximas atuações: Souza, Ortemann e R. Morales ainda acrescentarão bastante ao time.
SDS

PS = Já vou reservar minha passagem para Ipatinga, pois acredito que será lá que daremos a nossa volta olímpica.

Reverendo disse...

A questão, que será em breve revelada é: Este seria um momento de relaxamento do grêmio? É natural em um campeonato.

Se for, para um momento de desatenção estamos segurando bem. Outros times sofreram mais.