domingo, 28 de setembro de 2008

É hora da direção entrar em campo.



Perder é uma das possibilidades previstas no futebol. Num campeonato de pontos corridos, uma derrota é administrável. Claro que perder um clássico torna uma derrota mais impalatável, mas não podemos perder o equilíbrio e o bom senso. Tem que lamber as feridadas voltar a concentrar e fazer de tudo para manter o Grêmio na frente, afinal temos o mesmo número de pontos do líder, perdendo apenas nos critérios de desempate. Ou seja, o momento requer tranqüilidade, serenidade e convicção. Não podemos fazer terra arrasada.

Com esse pressuposto de serenidade só quero dizer uma coisa: É HORA DE ESCORRAÇAR O CELSO ROTH DO GRÊMIO. O time poderia estar 20 pontos na frente, mas é inadmissível manter um técnico depois do que aconteceu. Não dá mais pra manter um técnico que é fadado ao fracasso, que não tem estrela, que é o emblema da teimosia, que mantém o Marcel no time e não oportuniza espaços de crescimento a jogadores como Souza e Morales, que não consegue manter resultados positivos por mais de três meses, que não busca alternativas à previsibilidade do time, que não altera as alas que todo mundo percebe estarem precárias, que não faz os jogadores jogarem mais do que jogam, que tem um discurso no qual vigora o lugar comum, que ignora tudo o que a opinião pública e a torcida manifestam, que tem uma postura de não envolvimento com a história e a grandeza do Grêmio, que não tem o carisma dos grandes vencedores e que sucumbe nos momentos decisivos.

Se o Grêmio for campeão, o que desejo com todas as minhas forças, ainda manterei minha crítica ao Sr. Roth, pois não precisávamos passar por isso. Criticarei ainda mais à direção por sua postura irritantemente conservadora. No momento, precisamos criar um fato novo. Temos dez rodadas e só não somos líderes nos critérios. Há chance de trazer alguém com um discurso diferente, que deposite toda sua energia e competência para manter o Grêmio na frente. Gente nova no comando também altera o comportamento dos jogadores que certamente farão mais. O argumento de que não há técnico no mercado, não pode ser usado para manter a mesmice e a tendência de derrocada.

É hora de ousar. Nossa direção não pode continuar no conservadorismo que espera o pior acontecer para agir. Tem que ir para o tudo ou nada. Mandar o Roth embora agora não é loucura, pois seu trabalho no 2º turno é comparável aos times que ocupam a zona do rebaixamento. Além disso temos que lembrar que o Wagner Mancini foi mandado embora depois de uma vitória. Por que não mandar o Roth depois de um resultado trágico? Podemos perder o título, mas não por omissão. Do jeito que as coisas vão, estamos pondo em risco a libertadores 2009. O momento é de decisão e a direção do Grêmio é quem tem o bônus e o ônus de tomá-la.

12 comentários:

Maurício disse...

Prezados gremistas, a verdade é que estávamos com o título bem encaminhado, sim, com a vantagem razoável do 1º turno, e jogamos tudo fora.É culpa do Roth, também, mas é culpa da diretoria, igualmente, porque vendo a queda livre já no início do returno, nunca demonstrou uma postura de indignação e cobrança sobre o técnico e o grupo, apenas dizendo que tudo era normal, que éramos líderes e tal. Bom, não somos mais.Até acho que neste campeonato de japoneses, ainda podemos ganhar, se for possível reorganizar o time, sacar o marcel entre outros, mas não sei se dá tempo. De qualquer jeito, vai ficar marcada a humilhação de ontem, que não precisávamos ter sofrido.Deixamos de afundá-los, para irmos nós moral abaixo.VAmos juntar os cacos e ver o que dá para fazer, mas, mesmo o título, para mim, já não terá o mesmo sabor.

Luiz Fernando disse...

GRande , Amarante!

A direção novamente se omitiu. FAz alguns jogos q o time vem mal e nada foi feito. Nem mesmo uma chegada junto ao Roth, para cobrar algumas "teimosias" na escalação.
Ao invés de focar no campeonato, ficaram preocupados em obter consenso para a elieção presidencial.
A coisa ficou muito difícil. Mas ainda dá! Tudo dependerá dos próximos 4 jogos (temos q fazer, no mínimo, 10 pontos) e principlamente do fator anímico, q ficou bastante abalado após o jogo de ontem.
abraço

Luiz Fenando

Kbecinha disse...

Pedra cantada. Na postagem anterior, eu já implorado p/ a direção mobilizar o time para o Grenal, o que já devia ter feito desde que o time entrou em queda livre. O que acontece? O gracioso do presidente Paulo Odone vem a público dizer gracinhas: "Vamos passar a máquina.". Todo mundo sabe que esse tipo de declaração só serve para municiar o adversário.

Futebol tem lógica, sim. O sentimento de que um dia a maionese iria desandar está sendo tratado nesse blog há tempos. Mas como a mulher traída, pensamos que o homem havia mudado. Todo mundo sabe que o Roth iria fuder com o time. A equipe é a cara do dele.

A resignação do time no jogo de ontem foi revoltante. Antes da partida, os jogadores já ficaram naquele arreto. Tem que chamar o Ortemann no canto e dizer: "Tá vendo aquela bichona vermelha de tiara. Ele é teu inimigo, vai lá e gospe na cara dele.". Cadê o homem do rebote? Treinaram a semana inteira e não sabem quem fica ali. Sabem que a arbitragem está condicionada e viram de costas para a falta e não dão peitaço no juiz. O imbecil do Roth fica pregando o equilíbrio, quando precisamos de desequilibrados, como o Tcheco, único jogador com hombridade nesse time.

Nessas horas que a história da imortalidade e do apoio incondicional da torcida atrapalham. No primeiro caso, a imortalidade tem que jogar a favor não sozinha, não dá para colocar o Pico e o Marcel em campo e achar que as vitórias vão cair do céu. Quanto à torcida, acho realmente muito bonito apoiar até o final, mas, acabou o jogo, tem que ir cobrar na porta do vestiário. Grande parte do nosso sofrimento nos últimos anos se deve a tal crença na imortalidade e do apoio incondicional da torcida. Só isso não resolve.

Enfim, na minha visão para lá de pessimista, a diretoria vai entrar em campo somente para resolver as pendengas políticas da sucessão presidencial. A situação vai ficar como está e torço para que a vaga na Libertadores não seja perdida. O sentimento de frustração é enorme.

Éder Silveira disse...

Salve Amarante! És desde já meu candidato à presidência do Grêmio! Como pode um time com a grandeza do Grêmio contratar um técnico medíocre como o C. R.? Dei-me ao trabalho de procurar o site desse infeliz ontem à noite. Ele NUNCA ganhou nada que mereça algum destque. É, indiscutivelmente, sem estrela, incapaz de incendiar o time em um momento do campeonato em que ânimo e muita garra são mais decisivos do que qualquer outra coisa. Eu não veria absurdo algum na demissão do Roth a essa altura do campeonato. Talvez a entrada de um novo técnico desse uma balançada no time. Mas o problema crônico do Grêmio, assim como de vários clubes brasileiros, é ter uma direção mercenária e extremamente politiqueira. Paulo Odone e os seus estão vampirizando o Grêmio em um momento delicado. Cada um tem o Eurico Miranda que merece!

Éder Silveira disse...

Assim que acabei de escrever o comentário, vi a postagem do Kbecinha. Concordo plenamente! O mais triste é ver o time perder sem lutar. Resignado, medíocre e subserviente. Poucas vezes na minha vida me senti tão frustrado depois de um jogo de futebol! Perder sem lutar é inadmissível. Apoio incondicional da torcida é a puta que o pariu! Ontem mesmo deveriam ter colocado pressão sobre os peladeiros do time (e foram vários...), o Roth e a direção. O jogo de ontem deveria ter sido ganho, para lembrar o Serginho Chulapa, na bola e no pau. O que vimos? Roth em sua versão usual e a direção com o rabo entre as pernas depois de ter trabalhado o vestiário deles a semana inteira.

Caio disse...

Fala meu amigo Amarante...Concordo com Vc que qualquer resultado em campeonato de pontos corridos, é normal perder. O que não se admite é aceitar a derrota. Isso não faz parte da história do Grêmio. Aos 30 minutos do 2ºtempo "essa macacada muquirana" estava debochando da nossa cara nos botando na roda. O Índio colocou a bola para fora para calçar a chuteira qua havia saido do pé, um imbecíl que nem me lembro quem foi de tanta raiva que fiquei, fez ferplay (não sei se é assim que se escreve). Hora o que é isso...eles estão vestindo a camiseta do Clube mais copeiro do País... Estou indiguinado...Perder faz parte mas nunca aceitar...Outra coisa, O Presidente do Grêmio tem que calar a boca e trabalhar mais. Tinham que ter precionado por escalar um Gaúcho para apitar. É lógico que não foi só isso, mas um cara que apita toda e qualquer caída daquela Bixa do Newmar e aquele Argentino Asqueroso, da para ver que está mal intensionado.
Por fim...Continuo dizendo que temos que ter dentro de campo Capitão e jogadores que exerção pressão no juíz no primeiro minuto de jogo. Quero jogadores que sejam que nem o Dinho Cangaceiro..que nunca pegou uma camiseta deles depois de um GRE-NAL. É isso desculpem a Indiguinação. Mas sou Tricolor de corpo e Alma e não admito que o Grêmio se entregue nunca. Espero agora qua o Grêmio não se entregue...continue lutando que ainda dá. E PARA FINALIZAR..DEMITAM ESTE IMCOMPETÊNTE DO CELSO ROTH..TRAGAM O DINHO (MESMO SEM EXPERIÊNCIA DE TREINADOR), PARA TREINAR ESTAS DEZ PARTIDAS PARA VER SE SAÍMOS CAMPEÃO.
UM ABRAÇO AMARANTE.

Jésura disse...

Ora, Celso Roth protege Marcel, Pico e Paulo Sérgio porque se identifica com eles, afinal são todos esforçadinhos, limitados e desacreditados... Dá pra ser campeão sem ter estrelas no time, mas é preciso ter a estrela de quem faz as coisas acontecerem! Fora Roth!

andrei cavalheiro disse...

Grande Amarante

Na última vez que conversamos eu te disse que tudo estava dando certo para o Grêmio. Não tinha ninguém se machucando, o time estava no auge do preparo físico,nnguem tinha sido vendido pro exterior, o Tcheco não tinha amarelado e a síndrome Celso Roth ainda nao havia se manifestado. E, por tudo isso, eu acreditava que o Grêmio nao manteria seu ritmo e cairia de rendimento e aproveitamento de pontos. Pois, no gre-NAL, tudo deu errado pro Grêmio e certo pro Inter: expulsaram nosso pior jogador e o melhor de vcs, todos os lances duvidosos de arbitragem foram a nosso favor, quase tudo que o Inter concluiu entrou no gol, o Roth perdeu uma substituição no primeiro tempo com a lesão do Pereira etc., etc. etc.

A crise se instalou. Resta ver a como comissão técnica e direção vão gerenciar a nova situação. Acho que vai ser decisivo o preparo atlético. Não acho que o Grêmio esteja fora do páreo pelo título, mas se o preparo físico estiver mesmo na curva descendente, o "Portoalegrense" pode tranquilamente perder até mesmo a vaga para a Libertadores. Note que o Sao Paulo esta ganhando os jogos-chave, o Inter cresce e o Flamengo vai jogar 2/3 de seus jogos no maracanã.

Anônimo disse...

Verdade é que não sou gremista, mas acompanhei o Grêmio pelas últimas 5 rodadas talvez mais...
E sinceramente não vejo o motivo da implicância com o Marcel, ele é um jogador limitado sim, porém ele sempre foi. Dez rodadas atrás tudo o que se ouvia na imprensa era "o Grêmio tem no Marcel um grande atacante". Quer saber o que eu acho do Grêmio? Provavelmente não mas eu digo mesmo assim.
O Grêmio é um time médio, raçudo mas médio, chegou a liderança do campeonato com muita bola aérea (que geralmente indica a falta de criatividade no meio), com muita marcação(tenho que reconhecer era bonito ver o Grêmio "atacando sem a bola")e com atuações fantásticas do Vitor(não contei desde o ínicio do campeonato mas faço uma estimativa de que o Vítor tenha ganho no mínimo uns 15 pontos para o Grêmio).
Agora some estas características à pressão de ser o líder, e portanto, o time a ser batido.
Vocês são gremistas muito otimistas mesmo. O título já não é mais do Grêmio futebol não é estatística, não basta olhar a tabela para saber quem é o melhor, é preciso interpretá-la, e analisar questões motivacionais, resultados recentes.
Apesar de colorado não sou um anti-grêmio, até torço para que o grêmio se saia bem no brasileiro(contanto que não ganhe o título e nem tire vaga do colorado na libertadores). Mas a situação é crítica, basta prestar atenção.

O título não é mais do Grêmio resta torcer para o Inter ganhar jogos-chave, e para o próprio Grêmio fazer sua parte, o que convenhamos está se tornando algo cada vez mais complicado.

Luiz Fernando disse...

Prezados Andrei e anônimo!

Primeiramente, gostaria de agradecer a participação de vcs aqui no blog. Manifestações de tordecores de outros times - inclusive do co-irmão - são sempre bem aceitas, desde que ponderadas e colocadas de forma educada. A participação de vcs indica o crescimento do blog e comprova que o futebol pode ser debatido civilizadamente, sem que se descambe para a barbárie.

Eu concordo com várias coisas que vcs disseram, em especial sobre o fato do Grêmio ter sido líder em virtude do seu excelente preparo físico. E não vejo demérito nisto. Basta analisar o futebol, para ver que, logo após a Copa de 1970, o preparo físico se tornou ingrediente essencial aos times vencedores. Ao que me lembre, tanto o Grêmio de 1995, quanto o time de vcs de 2006, possuíam um condicionamento físico acima da média. E isso ajudou a ambos nas suas conquistas. Muitos jogos foram resolvidos com base exclusivamente neste fator.
De outra banda, nunca se ouviu referência, ao menos neste blog, de que o Grêmio possuía uma grande equipe. Sabemos que o time é médio e que necessita de muita raça e superação para ir bem. SE analisarem as postagens anteriores, verão que estamos preocupados com a qualidade do time desde o início do certame. Ademais, estamos, faz algum tempo, alertando sobre a queda de produção e a diminuição da pegada.
Quanto ao Marcel, caro anônimo, eu escrevi um post quando da sua contratação, criticando a direção e afrimando que eu gostaria de morder a língua quanto a este jogador. Portanto, ninguém afirmou que o Marcel era um grande atacante. Se alguém fez isso, posso te garantir que se trata de uma pessoa que não anlisa os fatos, limitando-se a comentar resultados.
Concordo, ainda, que a situação está bastante crítica, mas tudo na vida é reversível. Ademais, não há nenhum bicho-papão neste campeonato. O título realmente ficou difícil, mas convenhamos: uma vaga na Libertadores não é nada mal, em especial no ano do centenário do maior rival.
Por fim, quanto à flauta do Andrei (flauta sadia, diga-se de passagem!)nos denominando de "portoalegrense", venho esclarecer que tal adjetivo muito nos orgulha. Poder-se-ia até admitir a utilização do termo como subtantivo, afinal somos de Porto Alegre, do Rio Grande do Sul, e não temos nenhum constrangimento em admitir isso. Ao contrário. É motivo de muito orgulho!
ESpero novas manifestações dos amigos, pois repriso: é sempre bom travar debates de bom nível, com pessoas ponderadas e inteligentes.
Forte abraço

Luiz Fernando

Dinho Portaluppi disse...

Vejam como é a vida. Os filhos bastardos do futebol gaúcho passeando pelos blogs gremistas e enviando comentários. Eles nos amam, imitam até a nossa torcida. Que vontade de ser gremista ! Não adianta eles sempre serão "amargos", a escória do futebol gaúcho.

Ricardo (o "anônimo") disse...

Luiz fernando: Como as mesas de bar já não são suficientes para tanto assunto e os dirigentes e treinadores também não querem nossa opinião, pelo menos restam os comentários no blog.
Quanto ao que eu falei do Marcel eu falei da imprensa, mais precisamente do dito comentarista "caio" do Sportv, apesar de todos terem concordado quem disse isso foi ele. Em momento algum questionei o conhecimento futebolístico de vocês (do blog),e sim, a imprensa que é totalmente volúvel, e a cada rodada emite uma opinião diferente sobre determinado assunto.
Eu ainda acho que o Grêmio não sai campeão, mas agora passo a achar que o Inter não pega libertadores.
Também queria dizer que concordo com a questão do "debate civilizado"(e que fique claro que ele só ocorre aqui e que em momentos de torcida, isso não existe), pena o dinho ali não ter entendido, mas esse tipo de comentário dele a gente releva considerando e imaginando que ele estivesse vendo vídeos da torcida e tenha se empolgado um pouco.